segunda-feira, 19 de março de 2012

PARIS-TEXAS - José Antonio Assunção


Algum dia sonhei Paris.
Ver a Torre Eiffel de Paris
o museu do Louvre de Paris
les fleurs des Champs-Elisées de Paris.

Depois conheci Drummond. Li
Pessoa, Borges, Camus
e de algum modo fui (sem ver Paris)
o errático Rimbaud, sem tempo de Utopia.

O sentimento do mundo vinha adiposo com Bibi
mercador das flores do tédio onde aprendi
que o homem é êxule Sísifo,
estrangeiro em Paris como em qualquer lugar.

Hoje, já não sonho Paris; vivo o Texas,
Dante. Aos olhos de um homem em crise
toda geografia é o mesmo acidente.




_______________________________

Título: Paris-Texas
Autor: José Antonio Assunção

Poema originalmente publicado no livro O câncer no pêssego (Idéia, 1992)

2 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Caro poeta Wesley, apenas atualizando,
    para teu conhecimento, um lapso meu::
    "como em qualquer lugar" // "quanto em qualquer lugar"
    Abraço, jaa

    ResponderExcluir