segunda-feira, 3 de setembro de 2012

BOLHAS - Ronaldo Cunha Lima



Num aquário pequeno, exposto à venda,
um peixe solitário, dentre as folhas,
de boca aberta ia soltando bolhas
e dessas bolhas cosicando rendas.

De quando em vez fazia a corrigenda
d’algumas bolhas falhas e pimpolhas,
e doutras bolhas atentava escolhas
das bolhas para encaixe e para emenda.

A visão desse peixe solitário
entre bolhas do nada é o cenário
do mundo solitário de mim mesmo.

A vida, para mim, é imenso aquário
onde tudo o que sonho é um estuário
de bolhas de ilusões, soltas a esmo.

_______________________________ 
Título: Bolhas 
Autor: Ronaldo Cunha Lima

Soneto originalmente publicado na obra Sal no rosto (José Olympio, 2006)imobiliarias rs

Nenhum comentário:

Postar um comentário