sexta-feira, 19 de outubro de 2012

ENTRE TÉDIO E VODCA - JOSÉ ANTONIO ASSUNÇÃO


Qual rodela de limão
em vodca submersa,
eis o estóico mundo:
geografia do tédio.

Agito o meu copo
(lúdico itinerário)
e ela apenas boceja
em sua etílica órbita.

Em que caos despencará
(não essa tosca metáfora)
quando o desesperado Deus
beber o último gole?

_______________
Título: Entre tédio e vodca
Autor: José Antonio Assunção (1941)
Naturalidade: Sorocaba - SP
Obra: O câncer no pêssego (Ideia - 1992)

9 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Caro Assunção, já corrigi o erro. Realmente, falha de transcrição, explicável pelo cansaço depois de mais de três horas selecionando e digitando os 17 textos que foram publicados hoje. Grande abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  3. Nenhum trauma, amigo. Só o renovado prazer de compartir
    a dádiva da estesia nesse teu eclético tecido poético.
    Abraço renovado,
    Jotahah Assunção


    ResponderExcluir
  4. Compreendo, poeta!... Só que persiste pequena gralha, só agora notada: o verso correto é: "Agito o meu COPO" e não como está "meu CORPO". Abraço, Jotahah Assunção

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Mais uma vez corrigido, caro Assunção. O ´último dos textos digitados naquele dia continua atestando o cansaço que já me abatia naquele momento. Muito obrigado pelo aviso, primando pela manutenção da boa (compreensão da) poesia.

    ResponderExcluir
  7. Grato e evoé ao poeta e seus líricos fuxicos.

    ResponderExcluir