terça-feira, 3 de janeiro de 2017

MARABÁ - GONÇALVES DIAS


Eu vivo sozinha; ninguém me procura!
             Acaso feitura
             Não sou de Tupá!
Se algum dentre os homens de mim não se esconde:
             – “Tu és”, me responde,
              “Tu és Marabá!”
Meus olhos são garços, são cor das safiras,
Têm luz das estrelas, têm meigo brilhar;
Imitam as nuvens de um céu anilado,
As cores imitam das vagas do mar!

Se algum dos guerreiros não foge a meus passos:
              “Teus olhos são garços”,
Responde anojado; “más és Marabá:
Quero antes uns olhos bem pretos, luzentes,
             Uns olhos fulgentes,
Bem pretos, retintos, não cor d’anajá!”
É alvo meu rosto da alvura dos lírios,
Da cor das areias batidas do mar;
As aves mais brancas, as conchas mais puras
Não têm mais alvura, não têm mais brilhar.

Se ainda me escuta meus agros delírios:
              “És alva de lírios”,
Sorrindo responde: “mas és Marabá:
Quero antes um rosto de jambo corado,
             Um rosto crestado
Do sol do deserto, não flor de cajá.”
Meu colo de leve se encurva engraçado,
Como hástea pendente do cacto em flor;
Mimosa, indolente, resvalo no prado,
Como um soluçado suspiro de amor!

“Eu amo a estatura flexível, ligeira,
             Qual duma palmeira”,
Então me respondem: “tu és Marabá:
Quero antes o colo da ema orgulhosa,
             Que pisa vaidosa,
Que as flóreas campinas governa, onde está.”
Meus loiros cabelos em ondas se anelam,
O oiro mais puro não tem seu fulgor;
As brisas nos bosques de os ver se enamoram,
De os ver tão formosos como um beija-flor!

Mas eles respondem: “Teus longos cabelos,
             São loiros, são belos,
Mas são anelados; tu és Marabá:
Quero antes cabelos, bem lisos, corridos,
             Cabelos compridos,
Não cor d’oiro fino, nem cor d’anajá.”

E as doces palavras que eu tinha cá dentro
             A quem nas direi?
O ramo d’acácia na fonte de um homem
             Jamais cingirei:
Jamais um guerreiro da minha arasoia
             Me desprenderá:
Eu vivo sozinha, chorando mesquinha,

             Que sou Marabá!

_______________
Título: Marabá
Autor: Gonçalves Dias (1823 – 1864)
Naturalidade: Caxias - MA
Obra: Poesia lírica e indianista (Ática - 2008)

Nenhum comentário:

Postar um comentário